AGENDA

Quarta-feira, 09.12, às 19h, no Canal Pensar Africanamente
O Sortilégio da Cor. Identidade, Raça e Gênero no Brasil
Não perca! Acione o “definir lembrete”: https://youtu.be/LrJezo7cvMo
Colunista Convidada: ELISA LARKIN NASCIMENTO: doutora em psicologia, mestre em direito e em ciências sociais. Organizadora do livro e da coleção Sankofa; com EVANI TAVARES, professora doutora em artes na Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB); FLÁVIO GOMES, professor doutor, coordena o Laboratório de História Atlântica, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
CARLOS DE ASSUMPÇÃO, poeta e ativista da causa negra, de Franca (SP)

Transmissão Youtube: https://youtu.be/LrJezo7cvMo.
Transmissão Facebook: https://www.facebook.com/1624631517805465/posts/2819092861692652/

SORTEIO DE LIVROS
No Instagram do IPEAFRO
(1) Compartilhe este evento no seu Stories e mencione @ipeafro e @pensar.africanamente;
(2) envie uma mensagem pelo direct do @ipeafro com o nome do livro que será sorteado, seguido do seu nome e do seu e-mail.

 
Resumo do Livro
Com apresentação do professor Kabengele Munanga, o livro Elisa Larkin Nascimento faz um profundo mergulho nas questões que balizam e atormentam a vida dos brasileiros de ascendência africana. 

A autora analisa o legado histórico e a presença viva e atual do racismo patriarcal no Brasil, propondo como metáfora do padrão brasileiro de relações raciais, o sortilégio da cor, que transforma um sistema perverso de dominação racial num pretenso ideal antirracista. Elisa cria ainda o conceito de branco virtual, pivô desse padrão de relações raciais. Do ponto de vista histórico e teórico, ela analisa a dinâmica entre raça e gênero, dois fatores de interação social profundamente imbricados.

Com base em ampla pesquisa documental, Elisa examina os movimentos negros de São Paulo e Rio de Janeiro entre 1914 e 1964, tendo como ênfase as questões da identidade e da educação, e aprofunda esse tema com um olhar específico sobre o Teatro Experimental do Negro (1944-1968).

Um capítulo se dedica à análise das formas que a psicologia desenvolveu no Brasil no tratamento da questão racial. A autora mostra a evolução destas abordagens, do racismo explícito ou velado evidenciado em clássicos da literatura da psicologia, à prática clínica e reflexão teórica recentemente protagonizada por psicólogas e psicanalistas negras e negros e à designação dos terreiros de candomblé como espaços de terapia e de cura.

O livro se encerra com reflexões sobre a fundamental importância da educação, com propostas para a construção de uma prática de ensino baseada na política instituída a partir da emenda à Lei de Diretrizes e Bases da Educação por meio da Lei 10.629 de 2003.


ENCONTROS REALIZADOS (memória)

12 de agosto  – Coleção Sankofa v. 1 –  A Matriz Africana no Mundo
Participações do filósofo prof. Dr. Renato Noguera do Departamento de Educação / UFRRJ, pesquisador do Laboratório de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Leafro) e coordenador do Grupo de Pesquisa Afroperspectivas, Saberes e Infâncias (Afrosin); e de  Kaká Portilho , doutoranda em Antropologia Social, fundadora e presidente do Instituto Hoju e coordenadora do Centro de Altos Estudos e Pesquisas Afro-pindoramicas. Elisa Larkin Nascimento e a mediadora Silvany Euclênio estão presentes nas cinco vidas. Veja aqui:  https://www.youtube.com/watch?v=O5WQpf6eHKY&t=28s

 

 

09 de setembro de 2020  – Coleção Sankofa v. 2 –  Cultura em Movimento: Matrizes africanas e ativismo negro no Brasil. 

Participações de Petronilha Beatriz Gonçalvez e Silva , professora Emérita da UFSCar, professora Sênior junto ao Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da UFSCar. É autora de várias publicações na área da Educação; Alessandra Pio , mestra e doutora em Educação (UFRJ), pedagoga (UFF). Participou do Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, Universidade de Nova York, 2017/2018. Pesquisa a trajetória escolar de alunos negros, avaliação e racismo; Elisa Larkin Nascimento , diretora do IPEAFRO e organizadora do livro e da coleção Sankofa. Doutora em Psicologia Escolar e de Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP); e Silvany Euclênio, mediadora do encontro, autora de um dos capítulos do livro. Historiadora, educadora, ativista do movimento negro. Coordenadora do Projeto Baobá – Ribeirão Preto Educando para a Igualdade Étnico-Racial (2006 a 2009) e de políticas públicas para os povos tradicionais na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (2011 a 2014). Integra o Conselho Editorial do Canal Pensar Africanamente.
Veja aqui:  https://www.youtube.com/watch?v=miaW_2TFR-o

Participações de Lúcia Xavier, assistente social, cofundadora e coordenadora de CRIOLA, organização de mulheres negras com sede no Rio de Janeiro. Integra o Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030, implementado pela ONU Mulheres-Brasil; Giselle dos Anjos dos Santos, atua no Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades (CEERT).  É bacharel em História (PUC-SP), mestra em Estudos de Gênero e Teoria Feminista (UFBA), doutorando em História Social (USP). É autora do livro “Somos todas rainhas” (2012), sobre a história das mulheres negras no Brasil, e co-autora do livro “Mulheres afrodescendentes na América Latina e no Caribe: Dívidas de igualdade” (2018); Helena Theodoro, bacharel em direito,Pedagoga, Mestre em Educação, Doutora em Filosofia, Pós doutora em História Comparada. Autora de vários livros sendo o último Martinho da Vila reflexos no espelho.Atualmente sou presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Elas e coordenadora do grupo de pesquisa de carnaval LUPA do IFCS/UFRJ; Silvany Euclênio, mediadora do encontro, autora de um dos capítulos do livro. Historiadora, educadora, ativista do movimento negro. Coordenadora do Projeto Baobá – Ribeirão Preto Educando para a Igualdade Étnico-Racial (2006 a 2009) e de políticas públicas para os povos tradicionais na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (2011 a 2014). Integra o Conselho Editorial do Canal Pensar Africanamente.

Presidente do IPEAFRo anúncio que o troféu IPEAFRO Sankofa, 2020, vai para a professora Lourdes Siqueira

Homenagem a MARIA DE LOURDES SIQUEIRA – nascida no Quilombo dos Matões dos Moreira, em Codó, Maranhão, é doutora em antropologia pela École des Hautes Études em Paris, França. Professora aposentada da UFBA, diretora do Ilê Aiyê, conselheira do Centro de Cultura Negra do Maranhão e ex-integrante do Conselho Nacional da Igualdade Racial. Autora de vários livros. Mediação: Silvany Euclênio Moderação do Chat: Pedro Neto (Inatobi).
Assista aqui: https://www.youtube.com/watch?v=ac_VHKEGZkk

 

 

 

Participações de Katiúscia Ribeiro, filósofa e professora. Mestra doutoranda em filosofia africana pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ); RENATO NOGUERA: professor dos Programas de Pós Graduação em Educação e em Filosofia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ). Coordenador do Grupo de Pesquisa Afroperspectivas, Saberes e Infâncias; ELISA LARKIN NASCIMENTO: diretora do IPEAFRO e organizadora do livro e da coleção Sankofa. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP); SILVANY EUCLÊNIO: mediadora do encontro, coordenadora do Projeto Baobá – Ribeirão Preto Educando para a Igualdade Étnico-Racial (2006 a 2009) e de políticas públicas para povos e comunidades tradicionais na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (2011 a 2014). Integra o Conselho Editorial do Canal Pensar Africanamente.; MILSOUL SANTOS: escritor, poeta.  Silvany Euclênio: https://www.youtube.com/watch?v=cLwSmsE4G-4