Amefricanidade: curta sobre Lélia Gonzalez traz a essência desta intelectual

Produzido pelo Canal Saúde, da FioCruz, o documentário conta a história de Lélia de Almeida Gonzalez (1935 – 1994), filósofa, antropóloga, professora, escritora, intelectual, militante do movimento negro e feminista. Em sua trajetória, teoria e prática estiveram organicamente conectadas.

Assista o documentário aqui: https://www.canalsaude.fiocruz.br/canal/videoAberto/amefricanidade-doc-cs30-0006

13 de setembro: 105 do nascimento do sociólogo Guerreiro Ramos

Alberto Guerreiro Ramos (Santo Amaro da Purificação, Bahia, 13 de setembro de 1915 – Los Angeles (EUA), 1982) foi importante cientista social brasileiro.  No jornal Quilombo, órgão de imprensa do Teatro Experimental do Negro, foi articulista contribuindo com importantes textos sobre as relações raciais.

A professora Dra. Elisa Larkin Nascimento, diretora do IPEAFRO, apresentou artigo sobre o autor no Seminário “Guerreiro Ramos – Intérprete do Brasil”, realizado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) em 10 e 11 de Setembro de 2015  por ocasião do centenário de Guerreiro Ramos. O seminário foi organizado pelo Núcleo de Estudos de Identidades e Relações Interétnicas (NUER), da UFSC. Criado em 1986, o NUER é um dos mais antigos NEABs no ensino superior público brasileiro. O seminário contou com a presença de pesquisadores, estudiosos e ex-alunos do professor Alberto Guerreiros Ramos, e com a coordenação geral da equipe do NUER. O IPEAFRO parabeniza o NUER pelo trabalho realizado nesse encontro, que nos brindou com um rico intercâmbio de depoimentos e estudos sobre a vida e obra de Guerreiro Ramos. 
 
 
RESUMO: Guerreiro Ramos exerceu sua “sociologia militante” no Teatro Experimental do Negro (TEN). Desde jovem, ele vinha elaborando sua ideia do “sujeito epistêmico”. Seu legado teórico dialoga com o pensamento sociológico contemporâneo internacional. A autora propõe uma leitura de Guerreiro Ramos em diálogo com autores como Agnes Heller, W. E. B. Du Bois e Manuel Castells, enfocando paradigmas como a redução sociológica, a vida cotidiana, carecimentos radicais, identidades de resistência e de projeto. Examina o papel de Guerreiro Ramos na idealização do Concurso Cristo de Cor, iniciativa do Teatro Experimental do Negro em 1955, realçando o TEN como exemplo do “sujeito epistêmico”. Aprecia textos de Guerreiro Ramos sobre a pintura de Abdias Nascimento, escritos durante o período de exílio dos dois nos EUA, concluindo que a abordagem da estética negra nesse período dá continuidade ao enfoque sobre esse tema desenvolvido nos trabalhos anteriores de Guerreiro Ramos.
 
Leia aqui os demais trabalhos apresentados no seminário, que merecem toda a atenção de quem quer se informar sobre Guerreiro Ramos. Eles estão reunidos em número especial da revista Ilha (da antropologia da UFSC), organizado por Ilka Boaventura Leite e Amurabi Oliveira:

https://periodicos.ufsc.br/index.php/ilha/issue/viewIssue/2423/58

 

EDUCAÇÃO: COLEÇÃO DECOLONIAL – DE PRETO PARA PRETO

Em decorrência das mudanças sócio-culturais em curso nas últimas décadas e que encontram seu ápice na pandemia de COVID-19, este programa sobre Coleções Decoloniais tem como objetivo introduzir de maneira mais prática e profunda novas demandas éticas e estéticas do mercado de arte. Busca-se uma compreensão mais diversa e crítica das produções de arte contemporânea de caráter decolonial, em especial a partir de produções africanas e afrodescendentes.

O objetivo dos 5 meses de curso é familiarizar-se com tal produção, bem como desenvolver ferramentas críticas e apurar performances de impacto social correspondentes às novas demandas decorrentes da crise racial e institucional trazidas como marco histórico da atual pandemia. Desta forma os encontros terão como metodologia: estudos de caso, introdução a conceitos filosóficos e cosmogônicos, além de pesquisa de campo e prática curatorial. As sessões serão organizadas uma vez por semana em encontros focados em campos específicos tais como performance institucional, novas ferramentas para leitura de arte contemporânea e práticas artísticas como linguagem. Todo último encontro do mês será marcado por uma atividade interdisciplinar a fim de promover a fusão das disciplinas mencionadas acima. Ao final dos cinco meses, a turma realizará projetos curatoriais completos sob consultoria das facilitadoras e assistência da plataforma 01.01- o formato de realização destes projetos acontecerá em comum acordo entre a turma e as facilitadoras.

Duração do curso: 16 de Setembro de 2020 a 23 de Fevereiro 2021, às quintas-feiras às 20h. 
Para acessar informações clique aqui: https://www.sympla.com.br/curso-colecao-decolonial__956676

SOBRE AS MESTRAS

KEYNA ELISON – Curadora.  Diretira artítisca do Museu de Arte Moderna (MAM-RJ). Pesquisadora, herdeira Griot e xamãnica, narradora, cantora, cronista ancestral. Mestre em História da Arte e especialista em História da Arte e da Arquitetura pela PUC – Rio (Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro); bacharel em Filosofia pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). Curadora da 10a. Bienal internacional de Arte SIART, na Bolivia. Atualmente cronista da revista Contemporary&, e Professora do Programa Gratuito de Ensino da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, Rio de Janeiro.

CAMILLA ROCHA CAMPOS – Auto-evolucionária, artista, escritora e professora. Diretora Artística da Residência Internacional Capacete e membro do Conselho Educativo da Escola de Artes Visuais do Parque Lage. Mestra em História e Crítica de Arte pelo Instituto de Arte da UERJ. Graduada no curso de Gravura pela Escola de Belas Artes da UFRJ. 

ANA BEATRIZ ALMEIDA. Curadora convidada da Bienal de Glasgow de 2020, mestranda em História e Estética da arte pelo MAC-USP e doutoranda pela King’s College (UK). Colaboradora da plataforma 01.01.Entre o final de 2018 e início de 2019 ministrou workshops em instituições europeias e africanas sobre sua pesquisa em novas ferramentas de crítica de arte contemporânea a partir de ritos de morte africanos e afrodescendentes (ANO INSTITUTE- Accra/Gana, Zinsou- Cotonou/Benin, Tate Modern-Londres/Inglaterra, CCA- Glasgow/Escócia, KM Institute for Contemporary Art- Berlin/Alemanha). 

 

 

 

Série de Lives Incentiva Leitura e Produção de Conhecimento Pret@

O Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO) inicia nesta quarta-feira, 9 de setembro de 2020, às 16h, em sua página na plataforma digital Instagram (@ipeafro), uma série de lives denominadas LEITURAS COMPARTILHADAS. A atividade semanal é coordenada pelo poeta e escritor Milsoul Santos, do IPEAFRO, e tem o objetivo de incentivar a leitura, com foco na produção de conhecimento d@s pret@s. O ponto de partida para as conversas, abrindo caminhos, será a nova edição do livro “O Quilombismo” (Editora Pesrpectiva), de Abdias Nascimento. Haverá sorteio de dois livros por encontro, exclusivo para quem tem Instagram. Para saber como concorrer, clique aqui: https://www.instagram.com/p/CE3_dN_pMHB/

Nesta quinta-feira, 24/09, às 16 horas, haverá o terceiro encontro com Milsoul Santos (IPEAFRO) e Jorge Maia, nascido e criado na zona sul de São Paulo, no bairro do Capão Redondo. É historiador pela  Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e mestre em Educação pela mesma instituição. Integrou a equipe de colaboradores do IPEAFRO entre 2015 e 2017 e atualmente é componente do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação Antirracista, ligado ao PPGE-UFRJ. Jorge também é poeta e integra o grupo de teatro e percussão corporal “Tuc Boys” desde 2007.

O QUILOMBISMO, de Abdias Nascimento.

Sinopse
Título: O QUILOMBISMO
Autor: Nascimento, Abdias
3 a. edição, 2019
Páginas: 392
Tamanho: 14 X 19 cm
Peso: 390g

“Este livro repõe todo o significado da presença de Abdias Nascimento na agitação do problema africano no Brasil. (…). Fugindo à hipocrisia e à tolerância calculada dos opressores e à impotência dos oprimidos, Abdias propõe uma série de medidas que poderiam configurar a construção de um novo futuro no presente. Elas mudam a qualidade das exigências do negro brasileiro, bem como os rumos de sua relação com a revolução democrática na sociedade brasileira.”
– FLORESTAN FERNANDES

Relendo esse livro hoje, quase quarenta anos depois da primeira edição em 1980, vejo à luz dos acontecimentos políticos e sociais atuais que O Quilombismo é ainda atual. Creio que a geração mais nova que está surgindo com consciência nova efervescente possa ao folhar O Quilombismo, redescobrir e entender melhor o Brasil de hoje.”
– KABENGELE MUNANGA, professor titular de antropologia da USP (aposentado)

Encontros virtuais celebram conhecimentos de matrizes africanas

O Canal Pensar Africanamente, Selo Negro Edições e o Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros (IPEAFRO) realizam série de encontros virtuais em torno da coleção Sankofa – Matrizes Africanas da Cultura Brasileira e do livro O Sortilégio da Cor, de Elisa Larkin Nascimento. Serão mais quatro encontros promovidos na segunda quarta-feira de cada mês até dezembro de 2020, sempre às 19h. Haverá sorteio de livros por live. Um primeiro encontro foi realizado no dia 12 de agosto.

A coleção Sankofa – Matrizes Africanas da Cultura Brasileira tem o objetivo de contribuir para uma nova reflexão sobre questões importantes relacionadas à experiência afro-brasileira e às suas matrizes histórico-culturais. Os quatro volumes representam o conteúdo básico do curso de extensão universitária “Sankofa – Conscientização da Cultura Afro-Brasileira”, que o IPEAFRO ofereceu a partir de 1984 na Universidade  do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), primeira universidade do país a adotar o sistema de cotas. Trata-se de uma iniciativa de implantação da política de ensino da história e cultura africana, realizada duas décadas antes das cotas e da Lei 10.639/2003 que tornou esse ensino obrigatório.

Quando: Na segunda quarta-feira de cada mês, de agosto a dezembro de 2020, às 19h
Onde: Canal Pensar Africanamente (YouTube e Facebook)
Link da transmissão no Youtube:  https://www.youtube.com/watch?v=miaW_2TFR-o

AGENDA 

09 de setembro de 2020 – Coleção Sankofa v. 2 – Cultura em Movimento: Matrizes africanas e ativismo negro no Brasil

Participações: 

PETRONILHA BEATRIZ GONÇALVES E SILVA: Professora Emérita da UFSCar. Professora Sênior junto ao Departamento de Teorias e Práticas Pedagógicas da UFSCar. É autora de várias publicações na área da Educação.

ALESSANDRA PIO: Mestra e Doutora em Educação (UFRJ), Pedagoga (UFF). Participou do Programa de Desenvolvimento Acadêmico Abdias Nascimento, Universidade de Nova York, 2017/2018. Pesquisa a trajetória escolar de alunos negros, avaliação e racismo.

ELISA LARKIN NASCIMENTO: diretora do IPEAFRO e organizadora do livro e da coleção Sankofa. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP).

SILVANY EUCLÊNIO: mediadora do encontro,  autora de um dos capítulos do livro. Historiadora, educadora, ativista do movimento negro. Coordenadora do Projeto Baobá – Ribeirão Preto Educando para a Igualdade Étnico-Racial (2006 a 2009) e de políticas públicas para e povos tradicionais na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (2011 a 2014). Integra o Conselho Editorial do Canal Pensar Africanamente.

Para ver ao vivo, clique aqui: https://www.youtube.com/watch?v=miaW_2TFR-o

Resumo do livro
Com apresentação de Nei Lopes e de Carlos Moore, o livro abre com dois capítulos em que Nei Lopes aborda a cultura banta e o Islão negro no Brasil. Beatriz Nascimento escreve sobre o conceito de quilombo e a resistência afro-brasileira. Elisa Larkin oferece um esboço sucinto sobre o movimento negro no século XX, complementado por um histórico do Memorial Zumbi: comunicado à SBPC e depoimento do historiador Joel Rufino dos Santos. Na segunda parte do livro, com enfoque sobre a atuação do movimento negro na educação, Elisa Larkin apresenta um pequeno histórico da evolução das políticas públicas conquistadas e registra iniciativas no Rio de Janeiro. Vera Regina Triumpho escreve sobre ação educativa no Rio Grande do Sul; Silvany Euclênio relata o Projeto Baobá em Ribeirão Preto, e Piedade Marques depõe sobre ações em Pernambuco.

  

 

14 de outubro de 2020 – Coleção Sankofa v. 3 – Guerreiras de Natureza: Mulher negra, religiosidade e ambiente
 Participações:

HELENA THEODORO, bacharel em direito,Pedagoga, Mestre em Educação, Doutora em Filosofia, Pós doutora em História Comparada. Presidente do Conselho Deliberativo do Fundo Elas e coordenadora do grupo de pesquisa de carnaval LUPA do IFCS/UFRJ. Autora de vários livros. 
 
LÚCIA XAVIER, é assistente social, cofundadora e coordenadora de CRIOLA, organização de mulheres negras com sede no Rio de Janeiro. Integra o Comitê Mulheres Negras Rumo a um Planeta 50-50 em 2030, implementado por ONU Mulheres-Brasil.

ELISA LARKIN NASCIMENTO: diretora do IPEAFRO e organizadora do livro e da coleção Sankofa. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo (USP).

SILVANY EUCLÊNIO: mediadora do encontro,  autora de um dos capítulos do livro. Historiadora, educadora, ativista do movimento negro. Coordenadora do Projeto Baobá – Ribeirão Preto Educando para a Igualdade Étnico-Racial (2006 a 2009) e de políticas públicas para e povos tradicionais na Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República (2011 a 2014). Integra o Conselho Editorial do Canal Pensar Africanamente.

Resumo do livro
Com apresentação de Mãe Beata de Yemonjá e da socióloga Mirian Goldenberg, o livro abre com textos de Lélia González e Gizêlda Melo Nascimento sobre a mulher negra no Brasil. Helena Theodoro, Sueli Carneiro e Cristiane Cury abordam a mulher e a tradição de matriz africana em quatro textos, seguidos de reflexões de Elisa Larkin e Aderbal Moreira que focalizam o ambientalismo nessa tradição. Hédio Silva Jr. contribui um capítulo sobre o direito e a intolerância religiosa, seguido de textos de Dandara, Nei Lopes e José Flávio Pessoa de Barros com Maria Lina Leão Teixeira e com Clarice Novaes da Mota, que focalizam a relação da tradição de matriz africana com a natureza em diversos aspectos, como o Sassanhe, o Jurema e a ancestralidade banta e indígena.

 

 

11 de novembro – Coleção Sankofa v. 4 – Afrocentricidade, uma Abordagem Epistemológica Inovadora
convidados a definir

09 de dezembro – O Sortilégio da Cor. Identidade, Raça e Gênero no Brasil
convidados a definir


ENCONTROS REALIZADOS (memória)

12 de agosto – Coleção Sankofa v. 1 – A Matriz Africana no Mundo
Participações do filósofo prof. Dr. Renato Noguera, do Departamento de Educação/UFRRJ), pesquisador do Laboratório de Estudos Afro-Brasileiros e Indígenas (Leafro) e coordenador do Grupo de Pesquisa Afroperspectivas, Saberes e Infâncias (Afrosin); e de Kaká Portilho, doutoranda em Antropologia Social, fundadora e presidente do Instituto Hoju e coordenadora do Centro de Altos Estudos e Pesquisas Afro-pindoramicas. Elisa Larkin Nascimento e a mediadora Silvany Euclênio estarão presentes nas cinco lives. 
Veja completo aqui: https://www.youtube.com/watch?v=O5WQpf6eHKY&t=28s

Frantz Fanon – Um revolucionário, particularmente negro

fanon

Há mais de cinco décadas de seu falecimento, Frantz Fanon, publicado em diversos países e analisado por destacados estudiosos do pensamento crítico contemporâneo, é, sem dúvidas, um dos intelectuais negros mais importantes do século XX, que atuou como psiquiatra, filósofo, cientista social e militante anti-colonial.

Sua obra influenciou movimentos políticos e teóricos em todo o mundo e suas reflexões seguem reverberando em nossos dias como referência obrigatória em diversos campos de estudo. Por isso, em Frantz Fanon – Um revolucionário, particularmente negro, Deivison Mendes Faustino apresenta a trajetória política e teórica de Fanon desde a sua infância na Martinica até a sua participação nos movimentos de libertação na África. Trata-se de uma rigorosa investigação, em que a obra do intelectual martinicano é revisitada com vistas à sua biografia, de forma a oferecer ao leitor brasileiro um panorama mais amplo a respeito do contexto e dos dilemas enfrentados por Fanon no momento de cada escrito seu.

O presente ensaio aqui apresentado é, nesse sentido, corolário de uma séria atividade intelectual e se constitui como uma fundamental contribuição para o debate sobre a presença do pensamento negro e sua resistência política e intelectual na sociedade contemporânea. Que seja este, portanto, um livro para ler e refletir.

 

No vídeo abaixo, publicado no canal labExperimental.org, no Youtube, o professor Deivison Nkosi, autor do livro, apresenta uma introdução ao pensamento de Frantz Fannon. Clique e confira: 

SOBRE O AUTOR | Deivison Mendes Faustino, também conhecido como Deivison Nkosi, possui doutorado em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos.

É Professor Adjunto da Universidade Federal de São Paulo – Campus Baixada Santista, onde também atua como pesquisador do Núcleo Reflexos de Palmares e do Núcleo de Estudos Afro-Brasileiros – NEAB da UNIFESP e integrante do Instituto AMMA Psique e Negritude e do grupo Kilombagem. Recebeu, em 2015, a Menção Honrosa do Prêmio CAPES pela tese intitulada Por que Fanon, por que agora? Franz Fanon e os fanonismos no Brasil.

https://www.youtube.com/watch?v=mVFWJPXscm0

SOBRE A EDITORA

A Ciclo Contínuo Editorial é uma editora independente que se dedica à publicação de obras literárias e pesquisas na área das Humanidades, com enfoque especial na Cultura Afro-brasileira.

O catálogo da Editora reúne autores como Oswaldo de Camargo, Cuti, Carolina Maria de Jesus, Abelardo Rodrigues, Lívia Natália, entre outros.

Somado as publicações, a Ciclo Contínuo Editorial também promove ações educativas por meio de seminários, encontro com autores e cursos livres de Literatura.

Saiba mais através do site: www.ciclocontinuoeditorial.comdeivisno

 

Título | Frantz Fanon – Um revolucionário, particularmente negro.
Autor | Deivison Mendes Faustino
Editora | Ciclo Contínuo Editorial
Páginas | 144
Ano | 2018
Preço sugerido | $40,00

 

 

 

 

Texto extraído do site Ivairs:  https://ivairs.wordpress.com/2018/05/07/frantz-fanon-um-revolucionario-particularmente-negro/

 

Escolinha Maria Felipa: um presente para o presente

Professora Bárbara Carine na sala de aula. Ao fundo, em vermelho, o mapa do continente africano pintado na parede

A Escola Afro-Brasileira Maria Felipa, em Salvador, Bahia,  surge da ideia de jovens negras e negros que, na busca por educarem suas filhas e filhos a partir de outros marcos civilizatórios. A professora Bárbara Carine, da UFBA, e seu marido Ian Cavalcanti, se juntaram à pedagoga Naiara Santos e pensaram em uma escola que valorizasse nossas constituições ancestrais não apenas europeias, mas também a forte influência ameríndia e fundamentalmente africana em nossa formação sócio-cultural.

São três os objetivos da escola: oportunizar e dar condições para que as crianças desenvolvam suas capacidades para a formação plena por meio de ações pedagógicas, atividades lúdicas, desportivas e culturais; possibilitar aos e as estudantes o acesso as diversas formas de comunicação e linguagens oriundas de diferentes matrizes culturais, tais como: a Língua Pátria, o Iorubá, o Inglês, e o Espanhol; e oferecer à comunidade ensino de qualidade, pautado na perspectiva decolonial, que contribua para o desenvolvimento humano das educandas e educandos. 

A diretora do Instituto de Pesquisas e Estudos Afro-Brasileiros, Elisa Larkin Nascimento visitou a  instituição em abril de 2018. Uma das apoiadoras do projeto, Elisa enfatiza a importância de se construir uma nova educação com base em valores afrodescendentes.

Ian Cavalcanti, Elisa Larkin Nascimento e Bárbara Carine

“O estudo da antiguidade clássica africana seria fundamental, com ênfase na civilização egípcia como base e esteio da posterior greco-romana e com referência à presença e influência da civilização africana-egípcia na Ásia, na Europa e na América antigas. Complementando essa abordagem, seria importante mostrar como a história dessa civilização foi distorcida e encoberta, sobretudo no aspecto do protagonismo negro, nas versões ainda hoje divulgadas de forma maciça na cultura popular e na academia. Igualmente importante seria a presença dos referenciais do conhecimento africano nas diferentes disciplinas e áreas de conhecimento, nas ciências exatas e nas humanidades”, disse Elisa Larkin Nascimento.

SOBRE MARIA FELIPA

Maria Felipa foi uma heroína da independência da Bahia, nasceu na ilha de Itaparica e era descendente de africanos escravizados do Sudão.  Negra, marisqueira, pescadora e trabalhadora braçal, liderou um grupo de 200 pessoas, entre mulheres negras, índios tupinambás e tapuias nas batalhas contra os portugueses que atacavam a ilha de itaparica, a partir do ano de 1822. Somente o grupo de Maria Felipa foi responsável por ter queimado 40 embarcações portuguesas que estavam próximas à ilha.

MAIS INFORMAÇÕES

A Instituição

Território quilombola é tema do primeiro livro do geógrafo Diosmar Santana Filho

Os territórios quilombolas são a Rosa dos Ventos na obra A geopolítica do Estado e o território quilombola no século XXI, primeiro livro do geógrafo Diosmar Santana Filho, a ser lançado no próximo dia 14 de maio (segunda-feira), às 18h, na Livraria LDM – Espaço Itaú de Cinemas Glauber Rocha – Praça Castro Alves). A publicação, editada pela Paco Editorial, dá visibilidade ao contexto geopolítico e histórico com quais os territórios quilombolas enfrentam as desigualdades raciais nos séculos, de conquistas e perdas para a população negra brasileira.

Em seis capítulos, Diosmar, mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), aborda diversas nuances que permeiam a luta quilombola por espaço, território e identidade, sobretudo levando em consideração as mazelas deixadas pela Abolição da Escravatura, em 13 de maio de 1888.

A obra é a primeira publicação científica do autor e é fruto da pesquisa geográfica realizada no Mestrado em Geografia na UFBA. Diosmar analisa as mudanças no espaço do Estado Brasileiro a partir do protagonismo dos próprios quilombolas como sujeitos de direitos e os territórios desde Palmares modificam a geopolítica na formação do Brasil, com destaque o Estado da Bahia.

Diosmar Filho. Crédito: Ismael Silva

“Os territórios quilombolas estabelecem novas estruturas e formas para um ordenamento territorial não desigual. Nesse ponto, as escalas da política no Brasil e a territorialização dos quilombos na Bahia no século XXI, contribuem para tirar da invisibilidade nos estudos geográficos os determinantes raciais que tornam o Estado brasileiro distante de um projeto Nação. Essa é uma das grandes contribuições do livro para nossa literatura científica”, ressalta o autor.

O prefácio da obra é assinado pela doutora Sandra Manuel, professora do Departamento de Arqueologia e Antropologia da Universidade Eduardo Mondlane (Moçambique). Nele, ela discorre: “Diosmar Filho nos convida a um exercício revolucionário para pensar o Estado-Nação brasileiro, retirando a posição subalterna do Quilombo, dando visibilidade aos espaços quilombolas e conceitualizando o seu papel como formas novas no espaço do Estado pela formação política e étnica, em detrimento da elite que ocupou o poder político e econômico”.

Além do lançamento na Livraria LDM, o autor também promove uma roda de diálogo sobre o livro no dia 25 de maio (Dia da África), às 19h, no espaço da loja Katuka Africanidades (Praça da Sé). Já no dia 28, ele lança o livro na Celebração da Semana da África na Faculdade São Salvador.

Sobre o autor

Diosmar Marcelino de Santana Filho é geógrafo, Mestre em Geografia pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), professor e coordenador acadêmico da Especialização EaD – Estado e Direito dos Povos e Comunidades Tradicionais (UFBA). Pesquisador dos Grupos de Pesquisa CNPq – Historicidade do Estado, Direito e Direitos Humanos e do Núcleo de Estudos e Pesquisas Urbanos e Culturais do Sul da Bahia (Nepuc/IFBA – Campus Ilhéus). Foi professor substituto do Departamento de Geografia do Instituto de Geociências (Igeo-UFBA) e do Instituto Federal de Ciência e Tecnologias da Bahia (IFBA), campus Ilhéus. Na esfera governamental, foi gestor estadual em políticas públicas nas áreas de gestão: das Águas, Desenvolvimento Social e Promoção da Igualdade Racial. Autor de capítulos de livros e artigos em revistas científicas sobre território, desigualdade sociorracial, quilombo e política pública.

Sobre a editora

A Paco Editorial foi fundada em 2009 com a missão de ser um canal relevante de difusão da produção científica brasileira, tendo em seu catálogo importantes títulos nas mais diversas áreas. Impulsionada pelo propósito de compartilhar conhecimentos, a editora vem ampliando sua atuação com a publicação de títulos em outros segmentos, sempre primando por editar livros que proporcionem ao leitor uma experiência marcante de transformação, desenvolvimento e crescimento.

Serviço

O que: Lançamento do Livro A geopolítica do Estado e o território quilombola no século XXI, de Diosmar Santana Filho;
Quando: 14 de maio (segunda-feira), às 18h
Onde: Na Livraria LDM (Espaço Itaú de Cinemas Glauber Rocha – Praça Castro Alves). Entrada gratuita.
Valor da publicação: R$ 46,90

 

Mais informações: 
Juliana Dias | DRT-BA 3870 | +55 71 991168055